sexta-feira, novembro 25, 2005

Sem Norte, sem Sul, sem sentido...

Fico completamente desorientada quando tenho os meus filhos doentes. Especialmente quando não sei o que têm. Esta doença da Sofia tem sido particularmente complicada, com ela a ser observada por médicos que se revelam sucessivamente mais incompetentes. Não quer dizer que não tenham acertado no diagnóstico, provavelmente até acertaram, mas aborrece-me a forma como a observam e como não me dizem as coisas.
Na Quarta-feira enchi, depois de um senhor ter conseguido a proeza de observar a Sofia sem lhe tocar, dizendo-me depois que o melhor era reduzir a dose do antibiótico e parar mesmo de lho dar dois dias antes do fim.
Telefonei à pediatra da Sofia que acedeu em vê-la ontem, fez-lhe logo análises e reviu a medicação. Parece que estava tudo a ser bem feito, mas o bicho deve ser resistente ao raio do antibiótico. Agora parece estar tudo sob controlo.
O que me fez repensar a questão dos médicos. É complicado termos o médico de confiança, sempre à disposição, sem um custo exorbitante. A nossa opção tem sido ter a pediatra às 3ª feiras no consultório e sempre disponível no telemóvel. É razoavel por 3,99 €, que é o que pagamos através da ADSE. Acresce que tenho total confiança nela. Claro que esta opção deixa os restantes seis dias da semana a descoberto e nem tudo pode ser resolvido via telemóvel. Para estes dias tenho um seguro de saúde que me envia o médico a casa durante a noite. Claro que são clínicos gerais, está bom para uma gripe ou isso, mas para algo mais complicado torna-se dificil. Aí dá para ir ao Hospital Distrital da Sede de Concelho, através da linha Saúde 24, mas só quando o Centro de Saúde Cá do Sítio está fechado. Foi o que fizemos no Domingo. Nem foi mau, foi rápido e foi aí que nos passaram o bem dito antibiótico que ninguém ia adivinhar já ter resistências no bicho.
Na Quarta não tivemos tanta sorte e a Saúde 24 enviou-nos mesmo para o Centro de Saúde Cá do Sítio. Mas a Sofia tinha de ser vista e eu fui até lá. Felizmente a Pediatra dela é tão querida que acedeu a vê-la ontem, no local onde estava a trabalhar e onde não é suposto ver crianças da idade da Sofia. Provavelmente até pode arranjar problemas por isso, espero que não. É por isto que vou manter o mesmo esquema. Não é 100%, mas não me ocorre nada melhor. Se calhar arranjar um seguro de saúde que me permita ir à CUF Descobertas. Não estou a ver outra hipótese. Se tiverem ideias, digam-me.

3 comentários:

Sandra disse...

Não tenho ideias pois nunca precisei de recorrer ao sistema de saúde em Portugal, só queira desejar as melhoras da Sofia.
Beijinhos

Ana Abreu disse...

Posso-te dar o contacto da médica do Miguel... mas é no sistema de pagamento particular... quando me sinto como estás recorro a ela. Regra geral ele é acompanhado na CUF porque temos o seguro Multicare (passo a publicidade)como beneficio da empresa onde o R. trabalha... mas como vês apesar dele ter médica na CUF não é sinómimo de confiança total... a médica nem é má, só que com consultas marcadas de meia em meia hora acredito que seja dificil ser minunciosa e a mim aflige-me pagar e ele ser visto "por alto"... principalmente quando eles estão mesmo doentinhos.
Mil beijokinhas para ti e as melhoras da nossa menina!

Mª João disse...

Sugestões?...nenhuma...acho que dentro das tuas possibilidades, fizeste o que qq uma de nós faria.
Só levei o Tomás 1 única vez ao Amadora Sintra, e jurei que nunca mais! Foi das piores experiências - ver o meu filho com um mês de idade, na noite de Ano-Novo, a ser atendido por um médico que o mandou despir para observar, tb sem lhe tocar (como é possível?!), e de quem eu não entendia uma palavra, de tão baixo que falava, por atender os miudos com visível má vontade!

Espero que a tua menina melhore!

Beijokas