terça-feira, julho 14, 2009

A Culpa

Tenho a cabeça à volta com a necessidade de tomar decisões e assumir responsabilidades. Penso em como foram bons os últimos 15 anos neste aspecto e apercebo-me de que nunca tive realmente dificuldades com as decisões. De uma forma ou de outra procuro rapidamente soluções para os problemas e defino o que quero, pesando os prós e os contras. Não tenho grandes problemas em assumir responsabilidades e em dar a cara. Já a culpa é outro assunto diferente.
De há uns meses para cá as escolhas são minhas, as decisões são minhas, as responsabilidades são minhas. Mas tenho a perfeita noção de que as consequências também são minhas e se algo falhar a Culpa é minha.
Estou rodeada de pessoas que gostam de mim e que têm a bondade de me aconselhar quando lhes peço e, às vezes, mesmo quando não peço. são pessoas inteligentes e astutas que põe o meu bem-estar à frente e que têm o bom senso de me fazer ver os prós e os contras. Mas isto não altera o facto de as consequências serem exclusivamente minhas, de ser eu a ter de resolver quando as coisas correrem mal, de em última análise A Culpa ser minha.
Ao escrever isto apercebo-me de que não serei recriminada. Se a decisão for errada vou ter apoio e ninguém vai deixar de gostar de mim por causa disso. Curiosamente isto não me ajuda a tomar a decisão. O facto de não me recriminarem não quer dizer que não as desiluda e não me apetece desiludir ninguém. Bolas que sou complicada!

4 comentários:

BlueAngel disse...

Não és complicada. És igual a todos nós. Tomar decisões não é fácil e quando têm implicações noutros assuntos e noutras pessoas é até bem mais complicado. Isto prova que és humana e consciente. Quem gosta de ti estará sempre contigo independentemente da decisão ou decisões que tomares. Isso é mesmo garantido! :)Se for preciso também estão contigo para te darem na cabeça, mas estão e isso é o mais importante. Saber levar na cabeça também é humano. :-)

Vani disse...

Ia a dizer o mesmo que blueangel. :) Pior mesmo é tomar uma decisão contra a vontade, por saber que é a única decisão sábia a ser tomada. Embora a vontade tenha outras razões. No fundo, sente-se que se está a fazer algo por outrém, e não por nós mesmos.
Decisões diferentes devem estar a afectar o nosso caminho, mas se soubesses como podiam ser minhas essas tuas palavras...aliás, podiam ser de muitos de nós. :) Mas nunca tão bem descrito e elaborado. :)

Vani disse...

Se soubesses como te compreendo, neste preciso momento...

Vani disse...

Não quero dizer, com o anterior comentário, que sei o q te vai na alma, exactamente :-p. Apenas que, sejam quais forem as razões de ambas, sinto-me assim, exactamente como tão bem descreves.

Para quem não quer escrever, escreves e pêras. ;) Talvez um dia te encontre na prateleira de uma livraria?... :)