segunda-feira, junho 12, 2006

Calor e trabalho

São coisas incompativeis. Quando eu era miúda, numa vila à beira-mar plantada, mal se sentia o calor a romper, criava-se um lobby de pressão para ter aulas na praia. E havia professores que iam na conversa, gabo-lhes a coragem.
Só a ideia de levar os meus alunos para a praia congela-me os suores abundantes da época. Sempre são 24 e muito mexidos. Ainda lá ficava algum e depois como era? O que é certo é que houve algumas aulas de educação física na praia que até me souberam bem.
Tudo isto para admitir que esses corajosos professores tinham razão numa coisa: é impossivel pôr ciranças a trabalhar com este calor.

6 comentários:

Vitor disse...

Quem me dera a mim ter tido umas aulinhas na praia!

Especialmente educação física.

Não estou a ver outras disciplinas a terem muito sucesso com aulas na praia...

Já agora, és professora de quê de quem? Básico, Secundário?

Elora disse...

Básico, cada vez mais.

Mamaíta disse...

Pois nao me importava nada de poder gozar esse calor (mas tb já nao me posso queixar muito, hoje estiveram quase trinta graus, mas pelos vistos é só até àmanha, pena, pena).
Beijinhos e tenta a experiência de ir dar uma aula à praia, talvez gostásses...

Anónimo disse...

Cá na vila a tradição continua. Eu o ano passado, na última semana de aulas fui para a praia com as pestinhas( 3 turmas, três profs e duas auxiliares).Não dei aulas mas eles portaram-se lindamente, muito melhor que na sala de aulas.

Elora disse...

Anónimo:

Eu ia morrer de medo. Um momento de distração e tens a vida estragada. E sem defesa possivel: 3 profs para 3 turmas não cumpre as orientações da circular 1 de 2005. E por mais que não sejam obrigatórias, as ditas orientações, se acontece alguma coisa pegam-te logo por aí.

Anónimo disse...

que belas recordações... aulas na praia. não só as de educação física também as de filosofia. como diz o outro... My sweet 16!